sábado, 5 de novembro de 2011

Cariocas e o respeito


Ainda me espanto com a falta de consideração e respeito que impera nesse balneário ao sul do Equador.

“O Rio ainda tem muito o que aprender”, constata Roberta Sudbrack, eleita pelo Guia 4 Rodas (o “Michelin” dos trópicos) a melhor chef do ano.

Foi numa quarta-feira à noite (feriado) que reservei uma mesa de seis lugares para compartilhar com cinco amigos especiais as maravilhas que saem daquela cozinha envidraçada na casinha vermelha do Jardim Botânico. Reservei e confirmei, pois sei que as mesas de madeira maciça ali são concorridíssimas.

Qual não foi nossa surpresa – e, até, frustração, pq de-tes-to restaurante vazio, gosto de reparar no (des)prazer das pessoas comendo e convivendo entre pratos e talheres – ao ver o restaurante com vários lugares disponíveis. O que teria havido? Não estava chovendo, não tinha show de rock, não era uma tarde se sábado de sol. Resumindo, não havia motivo aparente para os cariocas escolherem outros programas.

“Levamos vários bolos essa noite. Abrimos as portas com a casa lotada de reservas. E todas confirmadas... Mas olha só como está...”, confidenciou a chef em sua ronda pelo salão.

Roberta Sudbrack pensa no cardápio, convoca sua “SudEquipe”, compra os ingredientes... Tudo considerando um número X de comensais. E aí o cidadão se acha no direito de, simplesmente, ficar em casa comendo miojo. Sim, ele tem esse direito. Mas poderia pelo menos avisar.

E aqui cabe uma ressalva. O maitre do RS também tem o direito de vir à nossa mesa e oferecer um champagne para tomarmos de aperitivo. Éramos seis e aceitamos. Mas cobrar seis taças (R$ 44 cada) e não uma garrafa (que certamente não era R$ 264) sem nos avisar me parece um erro e um exagero. 

No mais, tudo perfeito e o "menu dos meus sonhos": lagostim com chuchu e amendoim, pargo com vinagrete de lentilhas, ravioli de ricota com cebola croustillante, porquinho de leite com batatinhas croustillantes, e sorvete de pêssego com nectarina. Não podia pedir nada melhor do que essa sequencia incrível, que reuniu numa tacada só os meus dois pratos favoritos da Roberta (o lagostim e o porquinho).

Comer: Roberta Sudbrack (21 3874-0139)

7 comentários:

  1. Eu como nao gosto nem de lagosta, nem de carne de porco, preferiria estar no grupo dos que comem Miojo (que bom que ainda existe) em casa!!!

    ResponderExcluir
  2. Manoela agradeço o seu texto e a sua sensível percepção. Infelizmente essa cena acontece com mais frequência do que gostaríamos. Mas estamos remando, um dia chegaremos lá.
    Quanto ao champagne gostaria de esclarecer que de maneira alguma houve má fé do meu pessoal. Esse tipo de atitude não faz parte do espírito RS, espírito esse que toda equipe compartilha. A garrafa do champagne oferecido em taça em nosso restaurante custa R$ 320,00 na nossa carta de vinhos e normalmente pela dose que servimos, por volta de 135ml,cada garrafa serve no máximo 5 taças.
    De qualquer maneira peço desculpas pelo mal entendido e na próxima vez que vierem ao RS certamente ofereceremos mais uma taça para que você e seus amigos brindem ao encontro e à vida!
    Um grande abraço e mais uma vez muito obrigada,
    Roberta Sudbrack

    ResponderExcluir
  3. Manoela, parabéns pelo seu texto. Tem um tantinho a ver com a crônica q publiquei hoje no meu site. A Roberta é uma craque, além de ser uma pessoa de inefável gentileza. Jantar lá é sempre um prazer.
    Se vc quiser ler o q a velha "tia" escreveu, acesse www.annaramalho.com.br
    Beijos e vá um dia no 66 Bistrô experimentar as delícias do meu chef, o filho Christiano, 6 meses mais velho do q vc. bjs

    ResponderExcluir
  4. Roberta, vc é cada vez mais incrível. Obrigada por vir a esse cantinho e o cuidado com cada detalhe que envolve o seu RS. Fica a dica, então, para encontrar uma forma de fazer essa surpresa ser menos desagradável. Até poderíamos ter optado pela garrafa, ou pelas taças, ou até por outro rótulo, pq não. Foi o surpreender que, neste caso e só neste (adoro suas surpresas sempre), nos deixou com um gostinho estranho.
    Mas já passou, claro! Vcs são especiais. E volte sempre por aqui, viu? Pq eu volto sempre na casinha vermelha, vc sabe! Um grande abraço

    ResponderExcluir
  5. Anna, meu pai comentou que o Christiano está no Bistrô 66, que maravilha (sem trocadilho! rs)! Eu já fui algumas vezes lá mas não tinha essa informação, que torna tudo ainda mais gostoso. Ai, será que ele lembra da pirralha aqui? Beijos

    ResponderExcluir
  6. Em tempo, o post é o do Sawasdee? Amo muito! Comemorei meu aniversário lá - quando, aliás, apresentei o mundo thai ao Velho Leonam!

    ResponderExcluir
  7. Que crônica maravilhosa! Amo seu site!

    ResponderExcluir